Clubes da Superliga queriam receber os membros do Grupo Bilderberg nas cabines presidenciais

Vítor Elias 24 de Abril de 2021

Os presidentes do clubes que tentaram formar a Superliga europeia pretendiam fazer parte de um organização discreta elitista que receberia nas cabines presidenciais, não pessoas comuns como António Costa e Mário Centeno, mas os membros do Grupo Bilderberg e multimilionários mais ou menos misteriosos como Bill Gates, George Soros, Warren Buffett e Carlos Santos Silva. Os jogos da Superliga europeia decorreriam todas as semanas num sítio secreto cuja localização o público apenas saberia na noite anterior, apenas podendo entrar se dissessem a senha certa ao porteiro. As bancadas do estádio secreto estariam então iluminadas à luz das velas e o público e os jogadores, usando máscaras do carnaval veneziano, fariam amor com esbeltas acompanhantes de luxo que passeariam despidas e mascaradas pelas bancadas. No final dos jogos, os membros do público voltariam para as suas mulheres adormecidas nas mansões e diriam que estiveram reunidos com o Pedro Nuno Santos para comprarem a TAP.

Tópicos

Últimas

Do arquivo