António Costa quer valorizar ‘as Índias e os Brasis que temos em nós’ mas reconhece que é apenas uma estimativa e podemos acabar a valorizar apenas ‘as Madeiras que temos atravessadas na garganta’

Vítor Elias 25 de Agosto de 2015

Na carta aos eleitores indecisos, António Costa insurgiu-os a “vencer a depressão” e a valorizarem “as Índias e os Brasis que temos em nós”, embora esse desiderato pomposo, esclareceu ao IP, não é uma promessa, apenas uma estimativa. “Não me comprometo em valorizar as Índias e os Brasis que temos em nós. Podemos acabar, no Governo, a valorizar apenas as Berlengas e as Selvagens que temos em nós ou as pedras que temos nos rins”, concluiu. VE

Tópicos

Últimas

Do arquivo