Passos rejeitou pressão do FMI para um mini-memorando porque isso só lhe permitia fazer mini-cortes

Mário Botequilha 5 de Maio de 2014

O FMI terá tentado que Portugal aceitasse um mini-memorando, numa das últimas reuniões com o governo em que se beberam minis e comeram miniaturas de pastéis de nata.

Passos recusou de imediato esta ideia porque um mini-memorando não lhe dava a desculpa necessária para fazer mega-cortes e aumentos de impostos XXL como ele gosta. “Para mini-coisas, basta-me o Carlos Moedas e a solidariedade do Vice”, disse o Primeiro. MB

Tópicos

Últimas

Do arquivo