Federação Portuguesa de Futebol admite a saída ordeira de Cristiano Ronaldo da Selecção Nacional

Vítor Elias 14 de Junho de 2012

Depois da exibição de ontem frente à Dinamarca, tornou-se claro que Cristiano Ronaldo é na Selecção Nacional o que a Grécia é na Zona Euro: um fardo incómodo.

Por essa razão, embora a FPF garanta que Cristiano Ronaldo é essencial à Selecção Nacional e que sem ele talvez a Selecção corresse mesmo o risco de implodir, o IP sabe que o presidente da FPF, Fernando Gomes, está a preparar um plano B que vá ao encontro daquilo que toda a gente sabe que vai acontecer mas poucos têm coragem de defender publicamente: a inevitabilidade da saída de Cristiano Ronaldo da Selecção. Tal como muitos defendem que a Grécia deve começar por sair apenas da Zona Euro para depois, ordeiramente, acabar chutada da própria UE, também Cristiano Ronaldo deve começar por aquecer o banco de suplentes para mais tarde, ordeiramente, renunciar à Selecção Nacional e concentrar-se naquilo que melhor sabe fazer, marcar golos no Real Madrid e anúncios, não necessariamente por esta ordem. VE

SIGA-NOS NO FACEBOOK


Sexta-feira acompanhe a versão impressa do Inimigo Público com o jornal Público.

Tópicos

Últimas

Do arquivo