Paula Teixeira da Cruz convida Luís Filipe Vieira a definir o que é um ladrão no novo Código Penal

Vítor Elias 25 de Maio de 2012

Após Luís Filipe Vieira ter dito hoje, referindo-se a Pinto da Costa, que “um ladrão não deixa de ser ladrão só por ir ao Papa” e “um ladrão não deixa de ser ladrão só por declamar poesia”, a ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, convidou o presidente do Benfica a alterar o Código Penal para que fique de uma vez por todas explícito o que é um ladrão, podendo assim a Justiça funcionar com mais eficácia.

Luís Filipe Vieira já está a trabalhar no processo e, para já, decidiu que um ladrão não deixa de ser ladrão só por namorar com uma brasileira com idade para ser neta dele, que um ladrão não deixa de ser ladrão só por ter um irmão médico-legista, que um ladrão não deixa de ser ladrão só comer percebes nas marisqueiras de Matosinhos, que um ladrão não deixa de ser ladrão só ter uma filha prestes a casar, que um ladrão não deixa de ser ladrão só por ter uma biografia não-autorizada escrita pela Felícia Cabrita e, mais importante, que um ladrão não deixa de ser ladrão só porque foi absolvido de ser ladrão por todas as instâncias judiciais portuguesas. Pelo contrário, passa agora a estar inscrito no Código Penal que que um ladrão só deixa de ser ladrão se tiver um bigode à Josef Estaline e se tiver uma garagem de venda de pneus. VE

SIGA-NOS NO FACEBOOK


Sexta-feira acompanhe a versão impressa do Inimigo Público com o jornal Público.

Tópicos

Últimas

Do arquivo