Futebolistas da maçonaria são mais vezes titulares nas suas equipas e mais vezes chamados à Selecção

João Henrique 11 de Janeiro de 2012

Além da influência perversa que a maçonaria tem no Estado e na política, esta sociedade fraternal também tem infectado todo o mundo do futebol com os seus “pedreiros livres”.

O caso Saltillo, escândalo que estoirou na Selecção durante o México 86, foi causado por uma guerra entre os futebolistas não maçons e os futebolistas do Grande Oriente Lusitano. O árbitro José Guímaro foi preso porque não era maçon, Vítor Baía não foi convocado por Scolari porque não era maçon, João Moutinho não foi convocado por Queiroz porque não era maçon, Bosingwa e Ricardo Carvalho foram excluídos por Paulo Bento porque não são maçons, Vítor Pereira despreza Fucile porque este não é maçon, os árbitros maçons são os melhores classificados da Associação Portuguesa de Árbitros e Hugo Almeida foi substituído no jogo contra a Espanha porque não era maçon. JH



SIGA-NOS NO FACEBOOK


Sexta-feira acompanhe a versão impressa do Inimigo Público com o jornal Público.



Tópicos

Últimas

Do arquivo