Limite constitucional ao défice pode ser anti-constitucional

Mário Botequilha 16 de Setembro de 2011

A viabilidade de um travão constitucional ao défice é o debate mais inútil em Portugal a seguir aos programas de discussão sobre os erros de arbitragem de segunda e terça-feira dos canais de notícias.

Quem o diz é Jorge Miranda (pai, senhorio e agente FIFA da Constituição): “A constitucionalização de um limite para o défice, digo eu, é inconstitucional. E eu sei do que falo porque a constituição é minha.” O Professor Miranda, em alternativa, propõe restrições da lei fundamental “para outras matérias inadiáveis na sociedade portuguesa, como, por exemplo, o total de sul-americanos no Benfica, Sporting e FC Porto, o número de programas que Júlia Pinheiro pode apresentar por semana ou o valor máximo de colesterol da farinheira”. MB




SIGA-NOS NO FACEBOOK


Sexta-feira acompanhe a versão impressa do Inimigo Público com o jornal Público.


Tópicos

Últimas

Do arquivo