Moradores de aldeias do Norte de Portugal ameaçam boicote eleitoral por não haver lojas Mac, Starbucks e restaurantes de sushi

João Henrique 4 de Junho de 2011

Os moradores da aldeia de Santa Leocádia ameaçam fazer um boicote eleitoral nas eleições como forma de protestar contra a inexistência de bares chill out de design ao estilo dos bares de Lisboa.

O protesto eleitoral estende-se a muitas aldeias do Norte de Portugal. A aldeia de Vale de Égua está farta de esperar pelas entregas do iPad2, Cabanelas quer um SPA com massagem prostática e um Festival de Jazz, Fornos do Pinhal quer uma Charcutaria Gourmet e que a farmácia reponha em stock a Depuralina, comprimidos para emagrecer, que estão esgotados na aldeia há 3 meses. Reboredo de Jales quer uma sessão de autógrafos de Paulo Futre, net com fibra óptica a 1 Giga de velocidade, um Facebook menos lento a actualizar os feeds de notícias, um McDonald’s com drive-thru aberto até às 2 da manhã e a inclusão da aldeia nos serviços de geolocalização do Foursquare e do Badoo. A aldeia de Carrapichana não está satisfeita com o enredo da televonela da SIC, Araguaia. “Não gosto de ver o Solano com a Estela. A porta do local onde está instalada a mesa de voto vai estar fechada até que o Solano deixe a Estela para ficar com a Manuela e serem felizes para sempre”, declarou o presidente da Junta de Freguesia. JH

SIGA-NOS


Sexta-feira acompanhe a versão impressa do Inimigo Público com o jornal Público.

Tópicos

Últimas

Do arquivo