Grupo de apoio a homens que matam mulheres contestam numeros de ONG

Inimigo Público 16 de Fevereiro de 2011

Por Pedro Silva

“Estão um bocado empoleirados”, disse Carlos Tapas em entrevista ao orgão oficial do Grupo Nacional de Homens Organizados, vulgo grunho, sobre a declaração de que 43 mulheres teriam sido vítimas de morte ás mãos dos seus companheiros em 2010.

“Estão empoleirados, la em cima no poleiro, porque há aí muitos casos de raiva futebolística, em que as mulheres acabaram por ser vítimas dos maus resultados desportivos do clube dos seus maridos.” Tapas culpa ainda o facto de cada vez existirem mais casais interraciais para justificar a violência doméstica. “Nada $%)# mais o juízo a um homem do que ter a mulher ao lado a gritar com os golos do benfica sendo ele do Sporting. As pessoas deviam casar dentro dos seus gostos clubísticos, estas aventuras acabam mal, especialmente em casais em que um é do Benfica e outro é do Porto.” Sobre o facto de esta situação não ter contribuído para o aumento de mortes de homens por parte de mulheres Carlos Tapas não deu qualquer resposta, preferindo estrangular até a morte a jornalista.

Tópicos

Últimas

Do arquivo