Pedro Passos Coelho não quer empresas públicas com prejuízos crónicos a concorrerem com empresas privadas que cronicamente fogem aos impostos

Vítor Elias 7 de Fevereiro de 2011

Pedro Passos Coelho exigiu que o Governo extinga as empresas públicas que dão “prejuízos crónicos”, para que deixem de concorrer negativamente com empresas privadas, uma vez que o dinheiro que as empresas privadas portuguesas acumulam por fugir reiteradamente aos impostos não consegue competir com o dinheiro que as empresas públicas recebem dos contribuintes para compensar os seus défices, o que impossibilita uma verdadeira economia de mercado.

Para esta existir, as empresas privadas deveriam continuar a fugir aos impostos e as empresas públicas serem encerradas ou, em alternativa, as empresas públicas continuarem a ser subsidiados pelo contribuinte e as empresas privadas serem administradas por amigos do Cavaco Silva. Já o PCP e o BE defendem que, para existir igualdade de tratamento, as empresas privadas também deveriam poder apresentar “prejuízos crónicos”, após serem todas nacionalizadas. VE

SIGA-NOS

Tópicos

Últimas

Do arquivo