Ministro das Finanças admite que errou previsões das contas públicas porque Plutão não teve a influência em Capricórnio que esperava

António Marques 7 de Fevereiro de 2010

O ministro das Finanças assumiu que se enganou nas previsões das contas públicas, mas a explicação é simples, como explicou ao IP: “ A economia nunca foi uma ciência exacta, mas nos tempos que correm está mais volúvel e instável que uma mulher com o período! É por isso que me dediquei à Astrologia e as cartas trouxeram boas notícias!”

“A Papisa revelava uma conjuntura económica positiva, com o Diabo a marcar uma fase de progressão, o Louco a organizar tudo em seu redor, o Sol a desvendar novas oportunidades, o Papa a trazer equilíbrio e paz e a Morte a ultrapassar definitivamente os momentos menos bons e a mostrar o caminho da luz e da felicidade! Infelizmente, fiz as previsões na expectativa de que Plutão influenciasse Capricórnio da mesma forma que o Governo influencia a linha editoral do DN, o que não veio a suceder!”.

Tópicos

Últimas

Do arquivo