Pegada ecológica dos cães na China e Coreia atinge nível zero

António Marques 19 de Novembro de 2009

Um estudo do Greenpeace mostra que a pegada ecológica dos cães de estimação é nefasta para o ambiente e que um caniche contribui mais para o aquecimento global do que um habitante do Haiti, que tem um modo de vida amigo da natureza e que costuma ser decapitado antes de fazer 20 anos.

Já na China e na Coreia do Sul a pegada ecológica dos cães atinge o nível zero, pelo que o estudo os aponta como exemplo a seguir. Outro estudo da Quercus demonstra que a pegada ecológica dos cães em Portugal era bastante elevada até os anos 80, quando surgiram os primeiros restaurantes chineses no nosso país, tendo a partir daí diminuído imenso, tal como a pegada ecológica dos gatos e ratazanas.

Tópicos

Últimas

Do arquivo