Robot poeta suicida-se com um tiro nos chips

Vítor Elias 15 de Maio de 2009

Leonel Moura, da Universidade de Coimbra, um dos pioneiros portugueses da robótica, apresentou esta semana o ISU, um robot que escreve poemas. Porém, ao que o IP apurou, Leonel Moura perdeu o ISU de vista, pois este fugiu da casa do cientista e foi viver para umas decadentes águas-furtadas na Mouraria.

O robot poeta conheceu uma torradeira enferrujada que não lhe correspondeu o amor, escreveu meia-dúzia de sonetos em rima solta sobre a falta de sentido da vida e, com o seu braço hidráulico, pegou num revólver e deu um tiro na cabeça de fibra de carbono, tendo espalhado os chips pela parede da casa. Em memória do ISU foi inaugurada uma estátua em bronze na conhecida Brasileira de Coimbra, café onde costumava fazer a sua tertúlia com um robot de cozinha que era poeta modernista, um aspirador que era pintor cubista e um micro-ondas que, mesmo sem obra feita, era considerado o maior polemista da cidade. VE



Tópicos

Últimas

Do arquivo